• Home  / 
  • Não usar
  •  /  Vitória histórica do Brasil marca o ARC e Argentina assume a liderança

Vitória histórica do Brasil marca o ARC e Argentina assume a liderança

29 de fevereiro de 2016

Foto Brasil-ARC-rugby-xv-brasilDia 27 de fevereiro de 2016 ficará marcado na história do rugby brasileiro. Enfim o Brasil ganhou sua primeira partida no Americas Rugby Championship, após bater na trave contra o Chile e Uruguai. Venceu os USA, em partida que se tornou dramática nos O jogo começou com o Brasil no ataque e em menos de 15 minutos já estava 13 a 0 para os Tupis. Nossa, será que era um sonho? Não era um Brasil jogando bem no ataque e uma forte defesa, algo já demonstrado contra o Uruguai. E a toada tupi continuou com o pessoal do sindicato demonstrando sua força, tanto na formação fixa como no maul. E não tardou para ampliar o placar 18 a 0. Os americanos não passavam da linha dos 22. Somente, aos 30 minutos conseguiu marcar seus primeiros pontos em um penal, 18 a 3. No minuto final, os americanos enfim chegaram no ingoal marcando um try não convertido. O Brasil vai para o intervalo com vantagem no placar, 18 a 8. Será que chegou a vez dos Tupis, os próximos 40 minutos dirão.

Confira entrevistas exclusivas com grandes jogadoras de Rugby Sevens

O segundo tempo começa e o Brasil está com um homem a menos em função de cartão amarelo dado a Buda no final do primeiro tempo. O Brasil começou como no primeiro atacando, mas o espaço dado pela falta de um homem fez os americanos arriscarem no ataque, e num bela jogada os Águias marcaram seu segundo try, diminuindo a vantagem brasileira, 18 a 13. Os Tupis não se abalaram e foram ao ataque, Moisés converte mais um penal, 21 a 13. No entanto, a experiência americana entrou em campo com substituições feitas pelo técnico americano. E bela triangulação do ataque americano, os Águias marcam o 3° try e convertem. Placar perigoso para o Brasil, 21 a 20. O ritmo brasileiro diminui e os americanos se aproveitam disto para atacar, e por pouco não marcam o 4° try. Mas, os Tupis mostram evolução na sua defesa e minavam qualquer tentativa de ataque americana. Já passava dos 33 minutos do segundo tempo quando os Águias jogaram um balde de água fria nos Tupis, em um penal convertido viram o placar, 21 a 23. E poderiam ter ampliado aos 36 minutos, mas não converteram um penal quase do meio do campo. Ufa, ainda há esperança. E como esperança é sobrenome dos brasileiros, demonstramos que o jogo só acaba no apito final. Já no minuto final, o Brasil sofre um penal ainda no campo de defesa, opta pelo chute para a lateral. Já nos acréscimos cobra o lateral e a defesa americana comete novo penal. Será hoje? É a pergunta que todos na Arena Barueri se fazem.

Confira entrevistas exclusivas com grandes jogadoras de Rugby Sevens

Vou começar novo parágrafo, pois a partir de agora descrevo o minuto mais torturante que vivi nesta minha pequena vida de rugbier. Moisés que até então já havia convertido 3 penais se preparava talvez para o mais importante de sua vida. Bola apoiada no tee, torcida pela primeira vez em total silencio, total concentração. Quem estava à beira do campo, e sabia da importância dessa conversão, segurava a respiração. Fotógrafos com suas potentes máquinas se preparavam para registrar o momento. E eu abandonei a minha, porque além de não ser tão potente, não tinha total domínio da mesma. Resolvi registrar com meu celular mesmo, mas as mãos tremiam de emoção. Resultado, Moisés fez história ao converter o penal e meu celular saiu voando de minhas mãos, afinal vibrava tanto que não consegui segurá-lo. Peguei-o de volta e fui registrar a emoção de quem estava em campo. Não dava para saber quem registrar primeiro, se jogadores, torcida, ex jogadores que entraram no campo para festejar tal feito. Teve até fotógrafo especializado que num sabia se registrava ou vibrava junto. Lágrimas foram vistas em campo, não só dos jogadores e ex, como da comissão técnica, dirigentes e equipe de apoio. Está bem, também fui às lágrimas e sem constrangimento em assumir. E num momento que não sabia o que fazer me virei e dei de cara com Moisés esperando para ser entrevistado pela World Rugby. Estava eu em hora e lugar certos, pedi e ele concedeu entrevista exclusiva. No meio da entrevista, o presidente da CBRU aparece para abraça-lo, interrompi? Não, afinal era mais um registro. Ao termino da entrevista, continuava sem saber direito o que fazer, mas fui registrando tudo. Ultimo registro, a pose com toda a equipe e de fundo o placar histórico Brasil 24 x USA23. Sábado, 27 de fevereiro de 2016, o rugby brasileiro viveu seu dia histórico e eu estava lá.

Chile x Uruguai

O Chile recebeu o Uruguai em casa na esperança de sua 2ª vitória no Americas Rugby Championship, Mas, foram os visitantes que abriram o placar. O Chile aproveitou-se de ter um homem a mais em campo e virou o placar com a conversão de 3 penais e um try, 14 a 7, que permaneceu assim até o final do primeiro tempo.

No segundo tempo os cartões amarelos influenciaram no placar, com o Chile chegando a jogar com 13 em campo. Homens a mais no campo, mais espaços na defesa adversária, resultado final o Uruguai derrota o Chile por 23 a 20.

Argentina x Canadá

Com a vitória brasileira no sábado, a Argentina XV entrou em campo no domingo na liderança do Americas Rugby. E como tal, impôs seu jogo contra o Canadá. Em menos de 10 minutos já fazia 2 tries convertidos. Canadá esboçou reação e diminuiu o placar aos 12 minutos. Aos 27 minutos, os argentinos voltaram a marcar e esfriar a reação canadense, ou pelo menos pensaram que isto aconteceria. Os canadenses não se deram por vencidos e marcaram 2 tries, sendo um deles aos 38 minutos, 20 a 21. Mas, era a Argentina em campo, antes do intervalo viraram o placar.

O segundo tempo começou com a Argentina mostrando que apesar de não jogar com os Pumas na competição, ainda são os melhores. E foi logo mostrando seu poderio ofensivo, marcando 4 tries. Resultado final, 54 a 21 para a Argentina XV.

Ultima rodada será no próximo fim de semana, o Chile recebe o Canadá, Uruguai os

Jogo do Brasil e Argentina será em São José dos Campos e terá transmissão da ESPN.

Texto e Foto: Márcia Nogueira