Rugby de Calcinha

[Vídeo] Emille Cherry falando sobre o jogo contra Fiji

Olá mais uma vez! Helen Lagares aqui!

É sempre uma honra falar com esta jogadora que está sempre sorrindo. Mesmo depois de um jogo duríssimo contra Fiji.

Ela falou um pouco sobre o clima brasileiro, como são bem recebidas e das pressões vividas por terem vencido a primeira etapa da temporada 2015/16

Ahhh, o mais legal, ela lembrou de mim da entrevista do ano passado. Sim, eu fiquei empolgada com isso e vou contar a mesma história em todas as entrevistas que uma jogadora tenha me reconhecido! 🙂

Pobre fica alegre com tão pouco kkkkk

É inegável a emoção de falar com alguém tão importante para o cenário do rugby internacional. Tentei ser profissional, mas gaguejei um pouco, posso ter cometido erros na hora das perguntas, mas entendam… Acontece, e comigo, acontece o tempo todo, rs!

Foi proveitoso, mesmo tendo pouco tempo 🙂

PS: Logo abaixo do vídeo coloquei em ordem as perguntas e as respostas. 

Abaixo segue o vídeo e o resumo do breve bate papo!


Primeiramente falamos sobre o clima, assunto inevitável em se tratando do calor brasileiro e como isso afeta as partidas e as jogadoras que vêm de locais frios. Para Cherry, a temperatura não é problema, uma vez que é bem próxima da que elas tem em Sidney. Além disso ela ressalta que é sempre bom estar no Brasil, com pessoas amáveis e alegres.

Em seguida, falamos sobre o jogo contra Fiji, que foi um jogo muito duro, e como elas tem se preparado, uma vez que as equipes estão melhorando a cada dia que passa.  Ela disse que todas estão cientes que não existe jogo fácil no 7s e que todo jogo entre essas doze equipes serão difíceis. Além disso, é preciso ser rápido e preciso em cada movimento e tomada de decisão. Elas sabiam que Fiji viria forte e a cada jogo elas estão se aproximando da vitória e isto aconteceu no primeiro dia de jogos em Barueri.

Perguntei também sobre o fato de terem sido campeãs da Etapa de Dubai estariam mais pressionadas a vencer esta etapa também. Emilee, disse que talvez um pouco, mas que estavam focadas no time, no processo e no que elas poderiam fazer para dar o melhor em campo. Além disso, elas tentam bloquear as influências externas e permanecem focadas no que elas treinaram.

Pelo visto, tem dado certo não é mesmo?! Mais uma etapa vencida!

Sempre um prazer falar com esta grande jogadora que está sempre com um sorriso no rosto. 🙂

 

,