Helen Entrevista- Georgia Page

Nos últimos dias Georgia Page ganhou notoriedade mundial ao continuar jogando mesmo depois de ter fraturado o nariz. O vídeo que mostra o momento da fratura, chegou a ter mais de 15 milhões de visualizações. Conversamos com Georgia para falar um pouco sobre a repercussão do vídeo, que afirma já ter visto lesões piores e não recorda de as atletas terem recebido algum crédito por isso. Além disso, conversamos sobre seus planos para o futuro e a polêmica sobre a desigualdade da cobertura da mídia em relação ao rugby feminino.

To read this interview in English click here.

Georgia-page-jogadondo-rugby-reproducao

Georgia Page / Via Twitter: @geo_page


Helen Entrevista:
Primeiro, obrigada por separar um tempo para participar dessa entrevista! E como é estar em casa novamente, como tem se sentido? E seus pais, o que eles disseram a respeito do incidente?

Georgia Page:  Olá! Eu estou ótima, tirando a adaptação, mas estou bem! Minha mãe ficou um pouco preocupada hahaha

HE: Como você se sente em relação ao vídeo e ao fato ficar famosa de repente?

Georgia Page: Eu não me sinto famosa, na verdade. Mas estou muito feliz que o vídeo tenha se tornado viral para voltar a atenção para o rugby feminino e fazer com que este tenha mais espaço.

Georgia-page-nariz-quebrado-jogadora_rugby-e-o-time

Georgia Page / Via Twitter: @geo_page

HE: Legal demais! Quando você ficou sabendo da repercussão do vídeo?

Georgia Page: Quando eu peguei o avião de volta para casa. Ele já tinha quase meio milhão de visualizações.

HE: Muitas pessoas compartilharam o vídeo, quer dizer, meio milhão de visualizações em tão pouco tempo é impressionante! Acredito que isto seja muito bom para o rugby feminino. Lemos muitas informações e matérias dizendo que as mulheres não tiveram a mesma cobertura da impressa durante o torneio. Você acredita que este vídeo, mostrando que as mulheres levam este esporte muito a sério, pode ajudar a mudar esta situação?

GP: Acredito que o vídeo ficou tão famoso justamente pela falta de cobertura da mídia em relação ao rugby feminino e o esporte em geral no que diz respeito às mulheres.

Eu já vi tantas lesões loucas em campo, até mesmo em nível profissional as muitas jogadoras já tiveram lesões parecidas, iguais ou piores e nunca foram reconhecidas por isso. Se nós tivéssemos a mesma cobertura que os homens tem, as pessoas saberiam que o que eu fiz é o que a maioria das jogadoras de rugby faria.

É isso que eu acho interessante sobre este vídeo ter tido tal repercussão, pois ele está mostrando às pessoas sobre o que o rugby realmente é: ” Se colocar a disposição e se doar para seus companheiro de time e do uniforme que você veste.”

 

HE: Legal demais! Ainda sobre a lesão, ela aconteceu bem no início do jogo. Qual foi sua primeira reação? Pensou em sair do campo imediatamente?

GP: Por um segundo eu pensei “Ah Não! My nariz está do outro lado do meu rosto”, mas no sevens não temos muito tempo para pensar. Então eu pensei “Levanta, levanta!”. E eu o fiz pelas meninas e pelo time. Meu treinador sempre nos disse para dar tudo que temos e foi o que eu tentei fazer.

HE:  Este torneio é de grande expressão?

GP: É o maior dos Estados Unidos, na categoria universitária.

HE: Este jogo era uma semifinal, não é mesmo?! Vocês venceram?! Se sim, como foi a final?! Você jogou com mais cautela devido a lesão?

GP: Sim! Nós ganhamos o jogo da semifinal! Foi ótimo! O jogo da final foi díficil e eu estava com bastante dificuldade pois não conseguia respirar. Sevens é bem exaustivo e eu também não conseguia respirar pela boca, já que estava usando o protetor bucal. Foi difícil!

E eu estava mais preocupada em não perder tackles do que com o meu rosto,rs! Então eu acho que não estava mais cautelosa. RsRs

HE: E quais são as suas aspirações em relação ao rugby?

GP:  Eu quero chegar a Seleção Australiana de Rugby 7’s um dia. Mas se isso não acontecer, continuarei jogando rugby e aproveitando ao máximo desse esporte.

HE: E por último, o que você diria para as garotas que querem jogar rugby?

GP: Dê tudo que você tem! Quando nos doamos pela metade, é quando nos machucamos!

Georgia foi considerada um exemplo de jogadora que dá o seu melhor pelo seu time. No entanto, como ela mesmo disse, muitas outras jogadoras já fizeram ou fariam o mesmo. Nós também temos jogadoras guerreiras, valentes e que dão tudo de si pelo seu time. Jogadoras que já estiveram em campo com nariz quebrado, e/ou que retornaram aos campos depois de lesões e fraturas complicadas. Para nós vocês são guerreiras e merecem todo nosso respeito! Parabéns Guerreiras! VOCÊS NOS REPRESENTAM!