Rugby de Calcinha

Brasil faz ótima campanha mas cai nas quartas de final da Copa do Mundo de Rugby 7s

Seleção brasileira  copa do mundo de rugby 7s 2013

Por Carla Stechini e Teresa Raquel

A Copa do Mundo de Rugby Sevens dura pouco: mal dá para começar a curtir e já acabou. Os resultados dos dois dias de competição, no entanto, duram por quatro anos. Quem terá esse período de glória é a seleção da Nova Zelândia.

O torneio começou no dia 28 com os jogos das chaves masculinas e dia 29 com a disputa do feminino, que teve todos os jogos classificatórios para a fase final realizados no dia. A abertura foi com Nova Zelândia e Tunísia.

O BRASIL
O time brasileiro entrou em campo pela primeira vez no evento enfrentando de cara a forte seleção dos EUA. Perdeu por 12-7, apesar de mostrar uma boa qualidade de jogo e  que tem potência para segurar uma grande equipe. As tupis atribuíram o amargo sabor de derrota para a arbitragem, que errou diversas vezes, incluindo fechar os olhos para os tackles altos das americanas. O try suado foi feito aos 1:37 do segundo tempo por Baby, e convertido pelos pés de Xuxu.

Depois o jogo foi contra a Espanha, que atropelou as Tupis por 26-10. Os tries foram cravados pelas rápidas e fortes Berta e Barbara. As espanholas mostraram nível de jogo superior por grande qualidade do contato físico (tackles e “chumbadas” certeiros). Xuxu marcou cinco pontos no primeiro tempo, enquanto Luiza diminuiu o placar elástico aos 7:42 do segundo tempo.
2068209_lrg-169
Já a seleção de Fiji conheceu a gana brasileira. O Brasil venceu a equipe em ascensão (o masculino do país está entre as melhores seleções do mundo) por 17-14, placar apertado, assim como o jogo. As fijianas, inclusive, venceram a taça Bowl, o que aponta a melhora significativa que o Brasil tem corrido atrás. Voltando à partida, ela combina perfeitamente com a frase “de virada é mais gostoso”. As gringas começaram marcando bem no início da partida, aos 35 segundos de jogo. Mas logo sofreu try das mãos de Júlia Sardá, que provocou o empate. O segundo try fijiano veio no final do primeiro tempo. Mas sabiam elas que o segundo tempo todo seria nosso. As tupis Edninha e Tatá  marcaram dois tries, não convertidos, mas que garantiram a vitória amazona.

Num segundo dia que foi atrasado com quase 40 minutos por causa de uma forte e constante chuva, o Brasil entrou para disputar as quartas de final pela bola de ouro, mas caiu frente a China. Algozes de 2009, quando venceram as tupis por 10 a 7, a história se repetia. Um jogo duríssimo, que analisado pelo técnico do Brasil Chris Neill,teve como falha a perda de foco diante do conciso e rigoroso trabalho técnico chinês.  O placar final ficou 12 x 7 para as orientais.

A grande final foi entre Nova Zelândia e Canadá, e será tema do próximo post. Fiquem ligados!