• Home  / 
  • Não usar
  •  /  Mãe dentro de campo e o uso do rugby na educação dos filhos

Mãe dentro de campo e o uso do rugby na educação dos filhos

Ai ai ai… e não nos cansamos de ler mais histórias de mães do rugby! Veja o texto que recebemos da Luciane Cikotski do Cascavel Rugby Clube!

Há mais ou menos uns dois anos e meio, quando meu marido começou a jogar rugby, eu achava uma loucura ele chegar dos treinos todo arrebentado, sem falar nas camisetas que iam direto para o lixo. Até então eu nunca havia ido assistir a nenhum treinamento quando ele me convidou para ir com a equipe em um torneio em Cianorte (PR).

Lá eu vi, além do masculino, equipes do Maringá recém formada e Curitiba feminino jogarem. Observei com atenção aqueles jogos e resolvi aprender um pouco mais sobre aquele esporte e foi amor à primeira vista … ou amor ao primeiro contato! Percebi que aquele tal rugby trazia algo diferente de outros esportes que já havia praticado: o respeito ao indivíduo, seja ele adversário ou companheiro de equipe.

01

Desculpem-me, nem me apresentei. Fico empolgada e horas emocionada ao escrever sobre o início desta história (projeto, sonho…) que depois de quase três anos de muita luta, desânimo, insistência e teimosia (porque tem que ser teimosa para continuar quando tudo conspirava contra). Meu nome e Luciane Cikotski, tenho 37 anos, presidente e atleta do Cascavel Rugby Clube. Sou casada com Michel, atleta da equipe masculina e temos três filhos: Marcella de 16 anos e também atleta e companheira de equipe, Nicolas de 13 (futuro atleta de rugby, se conseguir deixar o tal do futebol kkk) e Gabriel de 9 anos.

3

Quando percebi que o rugby poderia me auxiliar na educação de meus filhos, ele se tornou mais importante. Assim através de projetos quero estender esta minha experiência a outras famílias (mães) que buscam uma alternativa a seus filhos que não seja as ruas e outras coisas que a acompanham.

215818_577486428936141_714402774_n

No inicio éramos em três: Eu, minha filha e outra companheirona, Tati, que também acreditou que daria certo. Hoje permanecemos juntas. Há seis meses aproximadamente a equipe se consolidou: um ex-atleta do masculino trouxe para o campo suas irmãs, elas trouxeram suas amigas, juntaram-se a nós mais três meninas de outras três cidades e assim está acontecendo o CASCAVEL RUGBY CLUBE FEMININO com muito orgulho, sim senhor.

Somos em quinze atletas, nosso estimado professor e um atleta do masculino Tiago Santos ( Tiagão), que se desdobra para fazer seus treinos após ter dado treino ao feminino e o preparador físico Professor Antonio Claro (gente boa, profissional extraordinário  cedido pela Secretaria de Esporte do Município).

DSC02447

A idade varia entre 16 a 37 anos. Dificuldades?  A principal já passou mas nós três estaremos lá, e se precisar começaremos tudo de novo. Outras ( falta de incentivo, patrocínio ) nem falamos mais, vamos à luta e hoje nossa Secretaria de Esporte está nos dando um apoio, o resto vamos atrás.

Não temos estrelas individuais na equipe, nenhum destaque, somos únicas ao entrar e sair do campo. Não possuímos ainda nenhuma aptidão ( forca física, velocidade ou técnicas ), mas nos sobra determinação, forca de vontade e muita garra.

Nós agradecemos pela história e que muitas mães acompanhem os seus filhos no rugby. Se não for ao lado deles dentro do campo, que seja do lado de fora, torcendo e ajudando em cada conquista! Feliz dia das mães!