• Home  / 
  • Notícias
  •  /  Brigar dentro de campo: use a bola, não os seus punhos

Brigar dentro de campo: use a bola, não os seus punhos

Briga no rugby
Por Guto Senra
Colunista da Rugby Mania, jogador do Guanabara Rugby FC e agora faz parte do varal do Rugby de Calcinha colaborando com a seção Rugby de Cueca.

Antes de mais nada, vamos mudar essa coisa do rugby ser um esporte violento. O rugby é um esporte de contato e como todo esporte coletivo tem seu nível de rigor. Qualquer outro esporte desta natureza exigirá de seus atletas um vigor em maior ou menor valor, o que não pode anular o respeito às regras que aprendeu para entrar em campo e muito menos desrespeitar a figura que orquestra uma partida, o árbitro.

Quando ocorre uma briga dentro de campo dois fatores precisam ser levados em conta antes de você tomar a iniciativa:

1) Razão:
No calor de um jogo, todos os seus vasos sanguíneos estão irrigados e dilatados. É natural que seus nervos estejam à flor da pele. É o que chamamos de sangue no olho. A paciência fica nublada e dificilmente você irá ponderar se é certo ou errado o que está fazendo.

O conselho vale para homens e mulheres – embora eu tenha visto poucas brigas entre mulheres dentro do rugby. Alguma coisa errada aconteceu e vai tirar satisfação do adversário. Foi assim que seu técnico te ensinou a responder? Acredito que não, mesmo porque a figura do capitão existe para isso.

Por outro lado ninguém tem sangue de barata e de vez em quando é justo responder a alguma provocação. O problema é como você responde. Jogos não são ganhos na base do grito, em esporte algum na realidade. A melhor resposta que você dá é jogando e dando o melhor que puder para a sua equipe.

Sua razão é resultado do que você compreende do jogo, da visão do juiz e do que seu técnico orientou a fazer. No fim, tudo orienta você jogador a jogar. Brigar só demonstra que o errado é quem puxou para os punhos algo que se resolve com a bola.

2) Consequências:
O resultado das suas ações vai repercutir no final da partida. Se você recebe um amarelo, o time adversário vai se beneficiar do espaço que você deixou vazio no campo e em 10 minutos irá fazer o que bem entender com esta vantagem. Seus jogadores tentarão cobrir este caminho e vão deixar de jogar, porque alguém perdeu a razão (vide o primeiro tópico acima). Caso seja expulso além de não jogar vai ficar com sua raiva fechada nos dentes e nada mais vai fazer diferença, estando você certo ou errado. E na maioria das vezes está errado.

Um jogo se resolve jogando. E se tiver uma briga ninguém de fora deve tomar partido. Tem trinta jogadores em campo. Se trinta pessoas não forem capazes de resolver não vai ser você, jogador ou torcedor que vai resolver. Isto é rugby, não é futebol – lição que o árbitro Nigel Owens usou numa partida.

Faça a diferença em campo. Jogue. Depois vai pro terceiro tempo e beba uma com aquele cara que você encontrou em campo com um sorriso aberto, uma cerveja com a mão aberta, não fechada.

rugby_le_rugbyman_rugbydecalcinha_decueca