• Home  / 
  • Não usar
  •  /  Técnico da Seleção Brasileira de Rugby dá dicas para a seletiva

Técnico da Seleção Brasileira de Rugby dá dicas para a seletiva

Youseff Seleção Brasileira de Rugby

Por Wanda Jentzsch (Leca)

Conversando com Youssef

Pra quem não sabe, Youssef Driss é um dos técnicos das meninas da Seleção Brasileira de Rugby e terá responsabilidade na escolhas da nova safra de jogadoras durante a seletiva em abril.

Estou bem otimista com o rumo que as coisas estão tomando. Tive o prazer de conhecê-lo em janeiro durante a Copa Cultura Inglesa e fiquei muito impressionada pela atenção que dedicou a todos os times. Foi visível o potencial de muitas meninas, e mais visível ainda a necessidade de se investir na preparação destes novos talentos. E lá estava Yossef, de olho em tudo.

Youseff e a Seleção no Rio 7's

Fiz algumas perguntas e pedi dicas para quem for participar da seletiva. Confira!

RdC: Quais os principais parâmetros para a escolha das meninas?

Youssef: Primeiro e muito importante: físico

Segundo: A defesa

Terceiro: Técnicas individuais (habilidades)

Quarto: tomada de decisão.

RdC: Tem algum conselho para as meninas que irão participar da seletiva?

Leia também: O seu psicológico será aliado ou vilão na Seletiva?

Youssef: O melhor conselho que eu posso dar é jogar o que sabem, mostrar suas qualidades sem pressão, mas com grande concentração e foco. Essa é a melhor postura pra poder avaliar o nível de cada uma. Eu vou insistir sobre um ponto que hoje e muito importante: O FÍSICO. A avaliação desse aspecto vai ser primordial, ele é a base de tudo e a comissão técnica da CBRu vai ser muito focada nisso.

RdC: Qual é sua missão junto à Seleção?

Youssef: Sobre minha postura de treinador e ”minha missão”, estou trabalhando hoje com a comissão técnica da CBRu e o programa de capacitação de treinadores feito com os Crusaders. Com objetivos comuns entre todos profissionais dessa organização.

Youseff em ação

RdC: Quais os planos com esta seletiva?

Youssef: Com certeza a ideia principal e de continuar a trabalhar com as jogadoras que fazem parte da seleção atual, que têm agora uma grande experiência a nível internacional, e que vêm crescendo muito com o trabalho que já foi feito nos últimos 10 anos e agora atuam com o novo trabalho .

Mas o segundo passo é de iniciar um esforço de buscar novos talentos com as categorias de base. Um exemplo bem claro que deixa a gente com essa vontade é que durante a Copa Cultura Inglesa em janeiro, a comissão técnica foi muito bem impressionada com o nível geral dos times, e também com algumas meninas muito jovens que jogaram esse torneio. Quero dizer que hoje, com um bom trabalho dos clubes sobre essa nova safra de atletas, sem dúvidas é uma ajuda para a gente sobre a formação dos treinadores e da estrutura de ”clube”. O sevens brasileiro tem mais chances de ver, em pouco tempo, o nível das atletas de todo pais, e o nível do time nacional melhorar.

Leia também: Correndo (literalmente) para a seletiva

RdC: Alguma dica para as meninas?

Youssef: Um último conselho para as meninas que gostam de treinar e que querem crescer:

Não existem bons resultados sem um trabalho muito duro e bem feito no dia a dia. A dedicação total dá ótimos resultados. Prazer e vontade de continuar são coisas essenciais para uma careira nacional e internacional nesse grande esporte de competição.

 

Agradecemos aqui a gentileza. É muito bom poder conversar com gente que gosta e estuda tanto o rugby!

Treino com a Seleção Brasileira

Youssef Dris foi um dos técnicos selecionados na clínica de capacitação liderada pelos neozelandeses. Está há dois no Brasil e é casado com a jogadora brasileira Gabriela Gabriel. À frente da seleção feminina, ele espera que seu trabalho venha somar com o progresso já existente de uns anos para cá. Jogador de 1982 a 2008, vem da escola francesa, atuou pela Seleção e por clubes de seu país como o PUC.

Bom, meninas, captaram a mensagem? O negócio é treinar diariamente, não adianta se for só para a seletiva. Quanto mais atenção ao físico vocês derem, mais fácil fica a missão em campo. Como dizia meu técnico e amigo Lalo Lagarrigue, “tem que sofrer no treino, pra se divertir no jogo!”.

Portanto corram, corram muito! Este é o melhor jeito de agarrar esta chance! Tackleem as dificuldades, empurrem a preguiça, driblem a dor e bora lá, dias 5, 6 e 7 de abril.

Nos vemos na seletiva!